O efeito das mutações num virus quando infecta dois hospdeiros diferentes


Este estudo mediu o efeito de várias mutações no crescimento de um bacteriofago, um virus parasita de bactérias. Photo de Dr Graham Beards via Wiki Commons.

Este estudo mediu o efeito de várias mutações no crescimento de um bacteriofago, um virus parasita de bactérias. Photo de Dr Graham Beards via Wiki Commons.

A adaptação de uma população a um ambiente novo depende em grande parte das mutações que sofre, e de como essas mutações podem afectar a sua capacidade de reprodução (o seu fitness). Para entender e até mesmo prever como a adaptação pode prosseguir em ambientes variáveis, é por isso importante medir a distribuição dos efeitos das mutações, isto é, medir a frequência de mutações benéficas, neutras, e deletérias.

Do ponto de vista de um agente patogénico, um vírus por exemplo, um hospedeiro não é mais do que um ambiente novo ao qual tem de se adaptar. Medir a distribuição dos efeitos das mutações de um vírus em vários hospedeiros pode, portanto, informar sobre a probabilidade de novos agentes patogénicos se estabelecerem e transmitirem em populações de hospedeiros desse tipo.

Um estudo recente liderado pelo Dr Pedro Vale, na altura investigador pós-doutorado no CNRS em Montpellier, explorou esta questão ao medir a taxa de crescimento de 36 mutantes de um bacteriófago chamado φX174 (um virus que infecta bactérias) em dois hospedeiros diferentes, as bactérias Escherichia coli e Salmonella typhimurium.

A maioria das mutações virais tiveram um efeito deletério ou neutro em ambos os hospedeiros, mas uma proporção maior de mutações foram deletérias quando o vírus infectou Salmonella. Foram identificadas duas mutações que resultaram num aumento da taxa de crescimento do vírus quando este infectou E. coli, mas as mesmas duas mutações não modificaram o seu crescimento em Salmonella. De uma maneira geral o estudo mostrou existir uma correlação positiva entre os efeitos das mutações virais em cada hospedeiro.

Estes resultados não só testam previsões teóricas de modelos de adaptação, como oferecem um dos pouco estudos experimentais , do efeito variável das mutações num vírus que infecta hospedeiros diferentes. Estudos deste tipo podem ser úteis para perceber a probabilidade com que novos gentes patogénicos aparecem e se transmitem em populações de hospedeiros.

Este trabalho, publicado na revista cientifica Evolution,  foi realizado por Pedro Vale, actualmente investigador no Centre for Immunity, Infection, and Evolution, Na University of Edinburgh.

Para mais informações:

Link para o artigo (clicar no titulo):

Vale PF, Choisy M, Froissart R, Sanjuan R, Gandon S. (2012)  The distribution of mutational fitness effects of phage &phiX174 on different hostsEvolution.  DOI: 10.1111/j.1558-5646.2012.01691.x

Email do autor: pedro.vale@ed.ac.uk

Website do autor: http://pedrovale.wordpress.com/

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s