O sexo dos ácaros: o tamanho (dos ovos) importa


AcarosMuitos organismos são capazes de ajustar o rácio sexual (a proporção de machos e de fêmeas) da sua descendência às condições ambientais que os rodeiam, como por exemplo a quantidade de recursos ou o número de indivíduos presentes. No entanto, sabe-se ainda pouco sobre os mecanismos que permitem um tal ajuste.

Nos ácaros herbívoros Tetranychus urticae, uma equipa de investigadores das Universidades de Montpellier e Lisboa (Centro de Biologia Ambiental) mostraram que as fêmeas são maiores do que os machos, e desenvolvem-se a partir de ovos maiores.

Um estudo recente pela mesma equipa mostra que, em condições em que produzir mais fêmeas que machos é mais vantajoso (i.e., quando uma fêmea põe ovos num local ainda não colonizado por outros), os ácaros produzem ovos maiores, o que leva a uma maior proporção de fêmeas na descendência. Em ambientes já colonizados, em que é mais vantajoso produzir um rácio sexual equilibrado, o tamanho dos ovos produzidos diminui. Assim, o tamanho dos ovos permite o ajuste do rácio sexual da descendência ao número de fêmeas que fundam uma população.

Nestes ácaros, as fêmeas virgens também produzem ovos (machos), já que estes organismos são haplodiplóides. Um outro estudo mostra que os ovos de fêmeas virgens são maiores que os ovos macho de fêmeas fecundadas. Isto pode conferir uma vantagem adaptativa à descendência de fêmeas virgens, já que em ambos os sexos, o tamanho dos ovos está relacionado com o tamanho dos adultos, o que por sua vez afecta várias características associadas com a fitness.

Assim, o tamanho dos ovos tem várias implicações para a evolução desta espécie, já que contribui para a determinação do rácio sexual e da fitness. Espera-se que este estudo gere um interesse renovado nos mecanismos que permitem o ajuste do rácio sexual, o que pode abrir novos caminhos na investigação nesta área.

– Este trabalho foi desenvolvido por:

Emilie Macke, Fabien Bach, Isabelle Olivieri (Institut des Sciences de l’Evolution, Université de Montpellier II); Sara Magalhães (Centro de Biologia Ambiental, Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa).

Este trabalho foi financiado por: PICS: Programme Internacional pour la Coopération Scientifique

Para mais informações:

O site do grupo de Sara Magalhães: http://www.saramagalhaes.com/index.html

Links para os artigos publicados (clicar nos títulos)

Macke E., Magalhães S., Khan H., Luciano A., Frantz A., Facon B., and Olivieri I. (2010). Sex allocation in haplodiploids is mediated by egg size: evidence in the spider mite Tetranychus urticae KochP roc. R. Soc. B April 7, 2011 278 1708 1054-1063; published ahead of print October 6, 2010,doi:10.1098/rspb.2010.1706 1471-2954 .

Macke E., Magalhães S., Bach F. and Olivieri I. (2012) Sex ratio adjustment in response to local mate competition is achieved through an alteration of egg size in a haplodiploid spider mite. Proc. Roy. Soc. Lond. B. 279: 4634-4642.

Macke E., Magalhães S., Khan H.D.T., Frantz A., Facon B. and Olivieri I. (2012) Mating modifies female reproductive effort in a haplodiploid spider mite. American Naturalist. 179: E147-E162.

 

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s