Padrão filogeográfico e refúgio glacial de uma espécie de costas rochosas com limitada capacidade de dispersão: o caso do caboz de crista Coryphoblennius galerita (Blenniidae)


b7ef55e763a425dc43196a94dac5667d

Os padrões filogeográficos de peixes costeiros são influenciados por caracteristicas biológicas, ecológicas e de história-vital distintas, bem como por eventos históricos e oceanografia (passada e presente).

Este estudo apresenta uma extensa filogeografia do caboz de crista Coryphoblennius galerita, uma espécie com características ecológicas conhecidas, estritamente ligada a ambientes rochosos e com capacidade de dispersão limitada.

A amostragem realizou-se me em onze localizações do Mediterrâneo ocidental ao Golfo da Biscaia (incluindo os arquipélagos da Macaronésia).

A região de controlo da mitocôndria e o primeiro intrão da proteína ribossómica nuclear S7 foram usados para avaliar a estrutura populacional, as assinaturas de eventos expansão / contração retidos nas genealogias e potenciais refúgios glaciais.

A diversidade genética da espécie foi elevada em toda a área amostrada, atingindo valores máximos no Mediterrâneo e na Península Ibérica ocidental.

Os resultados confirmaram uma estrutura populacional marcada, com uma clara separação entre o Mediterrâneo e as populações do Atlântico, e sugerindo também uma separação entre os Açores e os restantes locais do Atlântico.

O estudo revelou genealogias complexas e profundas, com populações de C. Galerita a apresentar assinaturas de eventos claramente anteriores ao Último Máximo Glacial e linhagens a coalescer no início do Pleistoceno e Plioceno.

São sugeridos três potenciais refúgios glaciais nos quais esta espécie poderia ter sobrevivido às glaciações e a partir de onde o processo de recolonização poderia ter acontecido: Sul da Península Ibérica / Norte da África, Mediterrâneo e Açores.

Para mais informações :

Este trabalho foi desenvolvido por:

Sara M Francisco,  Centro de Ciências do Mar e do Ambiente & Unidade de Investigação em Eco-Etologia, (ISPA Instituto Universitário)

Vítor C Almada,  Unidade de Investigação em Eco-Etologia, (ISPA Instituto Universitário)

Cláudia Faria Centro de Investigação em Educação. Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa

Eva M Velasco Instituto Español de Oceanografía. Centro Oceanográfico de Gijón (Espanha)

Joana I Robalo Centro de Ciências do Mar e do Ambiente & Unidade de Investigação em Eco-Etologia, (ISPA Instituto Universitário)

Este trabalho foi financiado por:

Fundação para a Ciência e Tecnologia: -Projecto Estratégico da Unidade de Investigação em Eco-Etologia (PEst-OE/MAR/UI0331/2011) – bolsa de SMF (SFRH/BPD/84923/2012)

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s